Aviso


Os textos e imagens são da minha autoria. Os que retiro do domínio público estão identificados. Mas, em caso de lapso, não existindo intenção de violação dos direitos de autor, agradeço a informação, sendo desde logo, retirado.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Kaap de Goede Hoop - Cabo Agulha, Afrika do Sul

No fim de África, pela estrada junto ao mar, deixa-se o cabo da Boa Esperança rumo ao ponto mais a sul de África, - Cabe Eigonlass, como dizem eles. É nesse cabo, que o Índico e o Atlântico se tocam e onde o rumo para as Índias se tornou realidade. (Reza a história de navegador português - Bartolomeu Dias).
Abandonada a Cidade do Cabo pela Estrada Nacional até Calendon e depois por uma via Regional segue-se até Agulhas, ou “Kaap die Goeie Hoop”.
No caminho, no meio do nada, erguem-se mansões a cair de velhice.
Entre montanhas que nos fazem descer em direcção ao mar, encontram-se sucessivas cidadezinhas que oferecem aos seus habitantes - classe média sul-africanas, o lazer entre a areia branca e o mar azul.
Chegados ao Parque Natural do Cabo Agulhas, o extremo meridional do continente africano, basta escolher as atracções que nos são oferecidas: visitar o farol, observar as baleias que durante o inverno dão à luz nas baías, entre outras actividades também apetecíveis.
Mas o que realmente importa é o sentimento que fica depois de se tocar no ponto extremo da Terra.
O fim! O fim do mundo, quando à frente só o mar regressa à terra em ondas de aproximadamente trinta metros, o vento forte e ruidoso nos atira para o vazio e a realidade surge por segundos, pelas embarcações ferrugentas que ali ficaram, dando sinais, que já existiram, e ali terminaram – no cabo Agulhas.

Sem comentários:

Enviar um comentário