Aviso


Os textos e imagens são da minha autoria. Os que retiro do domínio público estão identificados. Mas, em caso de lapso, não existindo intenção de violação dos direitos de autor, agradeço a informação, sendo desde logo, retirado.

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Remuneração. Carreira de enfermagem e carreira especial de enfermagem. Hospitais do setor empresarial do Estado.


Os hospitais do setor empresarial do Estado têm no seu mapa de pessoal profissionais com vínculo de direito público e com vínculo de direito privado. É o caso, por exemplo, dos profissionais afetos a carreira de enfermagem. A remuneração destes profissionais tem sido objeto de algumas decisões dos tribunais.
A questão essencial que se coloca é de se saber se a natureza do vínculo influência a quantidade, natureza e qualidade do trabalho, dos enfermeiros inseridos na carreira especial de enfermagem (aqueles que antes de 31/12/2008 eram os designados funcionários públicos) e os enfermeiros inseridos na carreira de enfermagem, (aqueles que ingressaram após aquela data e que têm o seu vinculo laboral ao abrigo do Código do Trabalho) podem ser objeto de diferenciação salarial, sem que, não esteja violado o principio da igualdade salarial. (Hoje, uns estão ao abrigo do DL n.º 247/2009 e outros ao abrigo do DL n.º 248/2009).
O Acórdão o Tribunal da Relação de Lisboa entendeu o que se transcreve: «Em suma, entendemos que, no caso houve violação do princípio constitucional “a trabalho igual, salário igual”, pelo que por aplicação direta desse princípio tem a A. direito às diferenças salariais que reclama relativas (…) razão pela qual não acompanhamos a sentença recorrida, que é de revogar».
Com interesse o Acórdão faz referência: «Com efeito, tendo em atenção as vicissitudes inerentes às diferenças dos regimes legais aplicáveis a enfermeiros com contrato de trabalho em funções públicas e enfermeiros com contrato de trabalho comum, mormente dos procedimentos com vista à fixação das posições remuneratórias, afigura-se-nos poder ser até certo ponto aceitável que a referida fixação das posições remuneratórias num caso e no outro não tivesse sido simultânea. Mas, só se não fosse ultrapassado um prazo razoável, o que não se pode de todo dizer que tenha sucedido, porquanto o prazo de quase três anos (mais precisamente de dois anos e nove meses) decorrido entre o reposicionamento remuneratório dos enfermeiros vinculados por CTFP e a aplicação desses níveis remuneratórios aos enfermeiros vinculados por contrato de trabalho comum se nos afigura excessivo e desproporcionado, redundando pois em verdadeira discriminação entre trabalhadores de um e outro regime, por violação do princípio constitucional “a trabalho igual, salário igual”.  Por se tratar de um direito (direito à equidade retributiva, contida no mencionado princípio) de natureza análoga, por força do disposto pelo art. 17º, é diretamente aplicável, tal como os direitos liberdades e garantias, vinculando entidades públicas e privadas (cfr. art. 18º, ambos da Constituição)».
Neste sentido o Ac. TR Lisboa de 17/05/2017




Sem comentários:

Enviar um comentário