Aviso


Os textos e imagens são da minha autoria. Os que retiro do domínio público estão identificados. Mas, em caso de lapso, não existindo intenção de violação dos direitos de autor, agradeço a informação, sendo desde logo, retirado.

sábado, 29 de outubro de 2011

Malangatana, Levou ao mundo - África

 NGWENYA, Malangatana Valente, nasceu em Moçambique, a 6 de Junho de 1936.
Morreu a 5 de Janeiro em Matosinhos – Portugal, aos 74 anos de idade.
A escola primária deu-lhe a oportunidade de saber ler e escreve, e assim, consegue muito jovem, em Lourenço Marques (actualmente designada como Maputo) trabalhar como acompanhante de crianças (criado de crianças), apanhador de boas num clube de ténis e mais tarde empregado de mesa no Clube de Lourenço Marques.
Este emprego dá-lhe a oportunidade de estar no seio da elite colonial.
Em 1959 inicia a sua carreira de pintor com a ajuda de Augusto Cabral e Miranda Guedes(arquitecto português)

                                 Perturbação na Floresta


                                


 Pintando numa garagem emprestada, organiza a primeira exposição na capital de Moçambique – na Associação dos Organismos Económicos, em 1961.
Os seus primeiros trabalhos tinham cariz social.
É preso duas vezes, por ser acusado de ser uma das grandes propagandas política contra o Estado Novo ( Malangatana estava associado ao Movimento politico da FRELIMO).
Tal, não impediu que o pintor tivesse recebido uma bolsa da Fundação Calouste Gulbenkian para se especializar em gravura. Em consequência, novas portas se abriram, e o pintor trabalhou para a Sociedade Cooperativa dos Gravadores Portugueses e na Fábrica de Cerâmica Viúva Lamego.
Com a independência de Moçambique e depois de ter deixado a Suíça o destino foi Nampula, onde teve participação activa na criação do Museu Nacional de Arte de Moçambique, o Centro de Estudos Culturais ( Escola Nacional de Artes Visuais).

   

A nível político, Malangatana exerceu várias actividades, designadamente de vereador do Município pelo pelouro da Cultura, Desporto e Juventude.
No seu percurso profissional, destaca-se ainda, que foi Vice-Comissário nacional para a área da cultura de Moçambique na EXPO98, em Portugal,  e  Hannover 2000, na Alemanha.
Durante os últimos anos de vida, o pintor era presença em muito festivais (Nacionais e Internacionais).
Entre diversos prémios é nomeado em 1997, pela UNESCO como o «artista pela paz».
E desta forma, deu a conhecer ao mundo a cultura moçambicana.
Levou ao mundo – África.

                          "Hambine, Wisa ha honbe"
                          (língua changana - Adeus, Descanse em Paz"

Sem comentários:

Enviar um comentário